What's happening?

Vídeo 246 Views Report Error

  • Watch trailer
  • DUBLADO
O Mínimo Para Viver

O Mínimo Para Viver

Jan. 22, 2017USA107 Min.TV-MA
Your rating: 0
6 1 vote

Sinopse

O Mínimo para Viver

Uma jovem (Lily Collins) está lidando com um problema que afeta muitos jovens no mundo: a anorexia. Sem perspectivas de se livrar da doença e ter uma vida feliz e saudável, a moça passa os dias sem esperança. Porém, quando ela encontra um médico (Keanu Reeves) não convencional que a desafia a enfrentar sua condição e abraçar a vida, tudo pode mudar.

Crítica

Marti Noxon é uma estreante com vasta experiência em Hollywood. Produtora de séries como Buffy, a Caça-Vampiros e Grey’s Anatomy, ela sabe exatamente como trazer seu público-alvo para si, manipulando suas emoções com artifícios bem identificáveis, e simples, porém eficientes junto ao espectador médio. É assim que a cineasta conduz seu primeiro longa-metragem como diretora e roteirista, O Mínimo Para Viver, seja subestimando o público, seja garantindo o acesso de todos à sua grave temática: a anorexia.

 

 

Ellen (Lily Collins) é a protagonista, e seu distúrbio é apresentado quase que imediatamente, sendo retratada como uma obcecada capaz de mensurar o número de calorias de cada alimento em seu prato. Então, vemos Ellen (que mais tarde adotará o pseudônimo Eli) “brincar” com a comida, revirá-la com os talheres, enfim comendo a vagem, somente a vagem. Essa apresentação sutil, à exceção de sua bonita relação com a meia-irmã Kelly (Liana Liberato), é circundada por situações artificiais, figuras estereotipadas, diálogos expositivos, num contraponto tanto narrativo, a fim de acentuar e informar sobre a doença de Eli, como qualitativo.

A câmera registra frontalmente e torna mais ostensivo o decote de Susan (Carrie Preston), a madrasta fofoqueira e problemática. Acima do peso em relação a todos os seus trabalhos anteriores, Liana Liberato usa uma saia jeans desconfortavelmente menor numa sequência importante, de modo a realçar o corpo mais avantajado de Kelly diante da irmã doente. Na clínica de reabilitação, toda sorte de conversas forçadas; das internas chamarem um colega de esquisito e em seguida cheirarem uma embalagem de chocolate a comentário solto de que Emma Stone é gorda.

 


 

Essa dramaturgia mal articulada abusa do bom gosto no modo como explora a homossexualidade de Judy (Lili Taylor) e na constrangedora cena em que coloca a filha, adulta, para mamar em seu colo. Em todas as outras, se pouco apuradas, resta funcionalidade. Assim, O Mínimo Para Viver opera como um veículo de informação sobre a anorexia: as consequências dessa terrível condição, o cotidiano de uma casa de tratamento da doença, possíveis motivações dos enfermos etc. Mas a urgência do tema só se manifesta pela boa construção, caracterização e atuação da protagonista por Lily Collins.

A introspecção de Ellen é bastante expressiva, deixando indícios sobre o impacto emocional causado por um lar desfuncional — especialmente pela figura paterna, ausente em toda a projeção e, por isso, muito presente como catalisadora dos problemas familiares. Sua atitude blasé é onipresente até o momento em que se rende ao carinho de um garoto por qual jamais se interessaria, o mais jovem, mais bobo e mais otimista Luke (Alex Sharp). Eli, assim, mostra que seu corpo frágil é reflexo de seu emocional: aparentemente rijo, mas perfeitamente maleável. Essa nuance é bem desenvolvida e não só mantém a história interessante até o final (corajoso), como legitima a possibilidade de redenção da indiferente protagonista.

O Mínimo para Viver

Keanu Reeves é o outro trunfo de To The Bone (no original). O ator volta a mostrar habilidade para adequar sua natural falta de expressão ao papel (e de escolhê-los) e confere autenticidade ao mosaico de clichês que compõe o Dr. William Beckham: o médico com métodos não ortodoxos, o homem que abdica da vida pessoal pela carreira, um profissional cuja dedicação excessiva se reflete em rigor e arrogância. A seriedade de Reeves se soma ao desenvolvimento de Eli para contornar o modus operandi de Marti Noxon, fugir um pouco à aura de genérico de Sundance entranhada em O Mínimo Para Viver e conferir relevância a esse modesto drama de personagem temático sobre a anorexia.

O Mínimo Para Viver
O Mínimo Para Viver
O Mínimo Para Viver
Título original To the Bone
IMDb Rating 6.8 41,935 votes
TMDb Rating 7.3 2,616 votes
Compartilhamento0

Títulos Similares

Dente de Leite
Na Mira do Atirador
The Artist’s Wife
Garotas Inocentes
A Música da Minha Vida
Com Quem Será?
Illang: A Brigada Lobo
A Mudança Está no Ar
Em Busca de Agnes
Onkel
assistir-filme-Charlie, Um Grande Garoto-online
Quo Vadis, Aida?

Deixe um comentário

Name *
Add a display name
Email *
Your email address will not be published