What's happening?

Vídeo 320 Views Report Error

  • DUBLADO
Elisa e Marcela

Elisa e Marcela

May. 24, 2019Spain118 Min.TV-MA
Your rating: 0
7 1 vote

Sinopse

Elisa e Marcela

Em 1910, acontecia na Igreja de San Jorge, na região de Coruña, na Galícia, um casamento inesperado entre Elisa e Marcela. Para driblarem as regras locais e poderem se casar, Elisa forja documentos de um parente falecido e se passa por um homem para viabilizar a primeira união homossexual da Europa.

Crítica

O casamento entre pessoas do mesmo gênero foi liberado na Espanha apenas em 2005. No entanto, mais de cem anos atrás, a Igreja Católica realizava em Corunha a união entre Marcela Gracia Ibeas e Elisa Sánchez Loriga sem saber.

Aviso: este texto contém spoilers!

Tudo começou em meados da década de 1880 quando Marcela ingressou na Escola de Formação de Professores, onde Elisa já havia se formado e trabalhava na época. Logo que se conheceram se apaixonaram; a amizade ia tão além do socialmente aceitável para a época que o pai de Marcela, capitão do Exército, mandou a filha para Madrid com a desculpa de que lá ela teria uma formação melhor do que na Galícia. O reencontro aconteceu meses depois quando ambas já lecionavam em pequenas aldeias da Galícia, resultando em Elisa se mudando para onde Marcela morava. Em 1889, Marcela foi transferida para Dumbría e concordaram que se veriam regularmente e nunca se separariam de novo.

Em 2019, a Netflix lança em sua plataforma o filme Elisa y Marcela, longa escrito e dirigido pela espanhola Isabel Coixet, prometendo contar a história dessas duas mulheres que foram esquecidas com o passar das décadas. Inspirada pelo livro sobre o casal do escritor galego Narciso de Gabriel e por uma viagem feita à Galícia, Isabel demorou dez anos até encontrar uma equipe que aceitasse tirar o seu filme do papel e, com a ajuda do escritor na produção do roteiro, conseguiu lançar o longa no Festival Internacional de Cinema de Berlim e em alguns cinemas da Espanha antes de chegar na plataforma de streaming.

O casamento entre pessoas do mesmo gênero foi liberado na Espanha apenas em 2005. No entanto, mais de cem anos atrás, a Igreja Católica realizava em Corunha a união entre Marcela Gracia Ibeas e Elisa Sánchez Loriga sem saber.

Aviso: este texto contém spoilers!

Tudo começou em meados da década de 1880 quando Marcela ingressou na Escola de Formação de Professores, onde Elisa já havia se formado e trabalhava na época. Logo que se conheceram se apaixonaram; a amizade ia tão além do socialmente aceitável para a época que o pai de Marcela, capitão do Exército, mandou a filha para Madrid com a desculpa de que lá ela teria uma formação melhor do que na Galícia. O reencontro aconteceu meses depois quando ambas já lecionavam em pequenas aldeias da Galícia, resultando em Elisa se mudando para onde Marcela morava. Em 1889, Marcela foi transferida para Dumbría e concordaram que se veriam regularmente e nunca se separariam de novo.

Em 2019, a Netflix lança em sua plataforma o filme Elisa y Marcela, longa escrito e dirigido pela espanhola Isabel Coixet, prometendo contar a história dessas duas mulheres que foram esquecidas com o passar das décadas. Inspirada pelo livro sobre o casal do escritor galego Narciso de Gabriel e por uma viagem feita à Galícia, Isabel demorou dez anos até encontrar uma equipe que aceitasse tirar o seu filme do papel e, com a ajuda do escritor na produção do roteiro, conseguiu lançar o longa no Festival Internacional de Cinema de Berlim e em alguns cinemas da Espanha antes de chegar na plataforma de streaming.

A história de Elisa Sánchez e Marcela Gracia é, na verdade, um grande mistério. Quanto mais se busca sobre, mais versões a história recebe — até hoje o escritor Narciso de Gabriel, apontado como o grande biógrafo dessa história, encontra novos fatos sobre a vida dessas mulheres. Para compor o filme, Isabel Coixet, em parceria com Narciso, desenvolveu uma história que não só poderia ser real como também uma história que mereceria ser contada: a história de um amor entre duas mulheres que só querem ser felizes juntas.

Em 1901, na província de Corunha, Marcela (Greta Fernández) aparece sem a sua melhor amiga, Elisa (Natalia de Molina), e os vizinhos desconfiam. Em seu lugar, um homem com feições estranhamente parecidas com a última surge e acompanha Marcela em um passeio no que se descobriria mais tarde ter sido o dia do “casamento sem homem”. A história que contaram na aldeia foi a de que Elisa não aprovou o romance entre Marcela e Mario Sánchez, seu primo, e foi embora para não ter que testemunhar o casamento. Então, algumas semanas depois, Mario Sánchez aparece na Paróquia de São José e conta ao padre que cresceu em Londres com um pai ateu que nunca o batizou e agora chegava à Espanha com o sonho de se casar com Marcela o mais rápido possível, pois ela estava grávida de dois meses de um filho seu. O padre, chocado pela história, batizou Mario e em 8 de junho de 1901 realizou o casamento entre Mario Sánchez e Marcela Gracia Ibeas assim que o sol nasceu na presença de poucas testemunhas. O que se descobriu depois é que Mario Sánchez era de fato primo de Elisa, mas havia morrido anos atrás em um naufrágio.

Elisa y Marcela retrata os anos em que as duas mulheres se reencontraram e precisam lidar com a desaprovação dos seus vizinhos, que desconfiavam da amizade tão íntima entre as duas. O casamento, então, é colocado como uma solução para que o casal finalmente tenha uma vida “normal”. Para isso acontecer, Elisa foi embora e retornou com roupas masculinas, o cabelo cortado, a voz engrossada, a identidade do falecido primo e uma história completa de vida para contar.

Elisa e Marcela

Não demorou muito até a vizinhança desconfiar do casal e chamar os jornais locais para denunciar a união, o “casamento sem homem”. Como é possível? A história repercutiu não apenas na Galícia, mas em toda a Espanha, chegando até a França e em Portugal. Após a repercussão, o casal perdeu os respectivos empregos e foram excomungadas da Igreja Católica — não sem antes o padre ordenar um exame médico em Mario/ Elisa. Farsa descoberta, a Guarda Civil espanhola então emite um mandado de prisão por falsificação de documentos e ideológica para Elisa, e Marcela, como cúmplice; as duas, então, fogem de Dumbría para não serem presas.

O que se sabe é que o casal buscou refúgio em Portugal, na cidade de Porto. Lá, Elisa retomou o papel de homem e passou a se chamar Pepe, porém dois meses depois a polícia espanhola descobre o seu paradeiro e exige a extradição do casal de Portugal para que elas possam ser julgadas pelos seus crimes. Elisa e Marcela são presas em Portugal e é na prisão que Marcela dá à luz a uma menina — a gravidez é outro grande mistério na história do casal a ponto dos jornais venderem a história de uma gravidez espontânea — no dia 6 de janeiro de 1902. Treze dias depois, elas são liberadas por Portugal para voltarem para a Espanha, mas conseguem fugir para a Argentina.

No filme, ao decidirem se casar, Marcela tem um encontro com um homem da aldeia, como se a gravidez fosse necessária para que a união fosse mais acreditável, para tirar todas as possíveis dúvidas da comunidade. Narciso de Gabriel diz que a filha de Marcela é peça fundamental para a história do casal, existindo duas possibilidades: em algumas entrevistas para a imprensa portuguesa (e teoria sustentada tanto pelos descendentes de Elisa e de Marcela), Elisa diz que aceitou o casamento e se vestiu de homem para evitar o desgraçamento da amiga, que ficou grávida fora do casamento; a segunda possibilidade (essa, favorita de Narciso) é a mesma do filme, que tudo não passou de uma estratégia para que elas pudesse chegar ao final feliz.

Não se tem muitos detalhes da história de Elisa e Marcela na Argentina, o que se sabe foi descoberto há pouco tempo. Na América Latina, Elisa adotou o nome de María e se casou, em 1903, com um homem 24 anos mais velho que ela, e levou Marcela, agora se chamando Carmen, e sua filha para morar com ela e seu esposo com a invenção de que eram irmãs. O casamento não durou muito, uma vez que Elisa se recusava a consumar a união. Após o marido tomar conhecimento das verdadeiras identidades de María e Carmen, ele tentou anular o casamento, mas após outro exame médico em Elisa, foi confirmado que ela era mulher e o casamento era totalmente válido.

A história de Elisa Sánchez Loriga e Marcela Gracia Ibeas desaparece dos registros nesse momento — um jornal mexicano, em 1909, publicou uma notícia de que Elisa havia se suicidado, entretanto não há nenhuma confirmação sobre o acontecimento. Apesar do sumiço do casal, o filme de Isabel Coixet decidiu dar um final feliz para a saga de Elisa e Marcela: no filme, Marcela deixa a filha em Portugal e, anos depois, elas se reencontram e a mãe conta a sua história à filha. É nesse momento que também descobrimos que, no fim, elas conseguiram uma viver juntas e felizes.

Em Elisa y Marcela, Isabel Coixet decide não se ater aos fatos da história das duas mulheres, tomando a liberdade de caminhar pelas possibilidades de suas trajetórias — como a gravidez de Marcela e o reencontro com a filha já adulta. A diretora também decidiu dar um final que se distancia do que estamos acostumados a ver em produções LGBT+, onde o trágico é o esperado; ao contrário disso, Elisa e Marcela encontram um paraíso particular para se amarem livremente sem julgamentos da sociedade do século XX. Apesar do filme ter sido bombardeado com críticas negativas e até terem pedido pela proibição do mesmo na Alemanha, Elisa y Marcela é uma história que se mantém fiel ao real e que mostra o amor de duas mulheres no meio de uma sociedade conservadora.

Até o lançamento de Elisa y Marcela não havia pistas do desfecho da vida do casal ou o que acontecera com a filha de Marcela. Mas após a repercussão da produção da Netflix, Norma Graciela Moure descobriu que é, na verdade, bisneta de Marcela Gracia Ibeas. Com essa descoberta talvez seja possível desvendar um pouco mais sobre o que aconteceu com o casal na Argentina e com seus descendentes. Hoje, Elisa e Marcela têm uma rua com seus nomes em Corunha, província onde moravam e mesmo depois de terem sido excomungadas, o casamento nunca foi anulado, sendo ele conhecido como o primeiro, e único, casamento entre o mesmo gênero realizado pela Igreja Católica.

Elisa e Marcela
Elisa e Marcela
Título original Elisa y Marcela
IMDb Rating 6.5 3,638 votes
TMDb Rating 7.2 157 votes
Compartilhamento1

Títulos Similares

Cartas Para Quem Ficou
Homens de Coragem
Seu Nome Gravado em Mim
Inquietos
My Salinger Year
Air Strike
Querido Menino
Naked Singularity
Insight
A Última Fronteira
Recém-Chegada
Reino de Deus

Deixe um comentário

Name *
Add a display name
Email *
Your email address will not be published