What's happening?

Vídeo 296 Views Report Error

  • Watch trailer
  • DUBLADO
Cadáver

Cadáver

Nov. 29, 2018USA86 Min.R
Your rating: 0
10 1 vote

Sinopse

Cadáver

Quando uma policial recém-saída da reabilitação fica responsável pelo turno da madrugada num necrotério de um hospital, ela começa a encarar acontecimentos bizarros e violentos causados por uma entidade maligna que habita um dos corpos.

Crítica

Depois de tantos filmes sobre forças demoníacas possuindo jovens garotas, retorcendo os seus corpos e girando crucifixos na parede, talvez seja melhor dar um passo atrás e fazer uma pergunta essencial: o que, afinal, os demônios querem? O que buscam esses personagens nos filmes de terror? Em se tratando de uma força maligna, eles detestam padres, bíblias e terços – até aí, sem problemas. Mas por que invadir tantos corpos femininos, por que fazer objetos voarem, por que às vezes agem sem tocar nos corpos, apenas com o poder do pensamento, e às vezes adquirem uma força surpreendente, atacando suas vítimas? Como escolhem os alvos, e por que poupam alguns deles? O que os demônios obtêm através destas manifestações?

 

Estas perguntas vêm à mente diante de uma produção como Cadáver. A primeira cena traz o típico exorcismo de uma garota de cabelos loiros e roupa branca, com direito a corpos retorcidos, vozes grossas, padres corajosos e olhos coloridos como prova de possessão. Pouco tempo depois, o cadáver da garota chega ao necrotério onde trabalha Megan (Shay Mitchell). Um incidente deixa claro que o corpo está possuído por alguma entidade sobrenatural. Num primeiro momento, a morta começa a mover objetos ao redor, embora permaneça imóvel sobre a maca. Depois, se levanta e ataca pessoas ao redor, atravessando paredes como se fosse invisível. Em seguida, se regenera e pratica novos assassinatos com o corpo próximo do humano comum.

A inconsistência no modus operandi do cadáver de Hannah Grace ilustra a dificuldade de explorar forças demoníacas como personagens de cinema. Eles são capazes de praticamente qualquer ação – mais do que muitos super-heróis e vilões por aí – o que produz inverossimilhanças óbvias: por que o corpo possuído não se levanta logo e passa a atacar suas vítimas? Por que começa com indícios, insinuando-se, até passar à ação? Se a vilã possui uma força surpreendente, porque não rasga o saco mortuário e sai? Talvez a resposta mais óbvia seja que não haveria longa-metragem se a personagem demonstrasse toda a sua potência desde o início. Por isso, apenas para o prazer do espectador, a falecida esconde o seu jogo, manifestando-se quando interessa ao roteiro.

 

Esta força demoníaca possui senso de espetáculo, e guarda umas cartas na manga para a plateia. O aspecto de sedução, ou de malícia, torna a personagem muito difícil de levar a sério – e, portanto, de temer. Os demônios são transformados em figuras não apenas exibicionistas, mas também aleatórias: eles podem estrangular uma pessoa com o poder da mente, porém um minuto mais tarde, morrem atacados por um travesseiro. Cadáver sofre do raciocínio segundo o qual o mal é onipotente e onipresente, porém pouco inteligente, contentando-se em ser ora uma presença invisível, ora um fantasma, às vezes uma entidade animalesca que anda pelas paredes, e em outros momentos uma figura humana navegando entre a bruxa e o assassino em série.

 

A construção frágil da personagem não é exclusividade desta produção – ela se torna um aspecto central em A Autópsia, Renascida do Inferno e na franquia Atividade Paranormal, por exemplo -, mas é acentuada pelas escolhas de direção. O diretor Diederik van Rooijen trabalha com ataques óbvios demais, inviabilizando a ambiguidade tão importante aos filmes que navegam entre o natural e o sobrenatural. Os instrumentos de laboratório tremendo e as feridas cicatrizando sozinhas são elementos que jamais poderiam ser confundidos com algum fenômeno científico, o que torna evidente a presença de uma força demoníaca. Por isso, o ceticismo de Megan não constitui um conflito de peso: ela se vê imediatamente obrigada a acatar a presença de um elemento paranormal no necrotério. 

Cadáver

Além disso, cada susto é antecipado pela trilha sonora e pela montagem, diluindo a força dos ataques, e o ambiente do hospital e do necrotério são exageradamente escuros. Como se não bastassem estes elementos, a galeria de personagens coadjuvantes é bastante caricata (Stana Katic e Grey Damon possuem atuações muito fracas), os diálogos são frágeis e as interações entre Megan e Hannah se tornam cada vez mais intensas e absurdas. Em outras palavras, Cadáver abre mão da verossimilhança na tentativa de provocar mais medo, sem perceber que a tensão se perde conforme se afasta de conflitos plausíveis.

 

Pelo menos, Shay Mitchell se esforça para construir um misto de potência e fragilidade à ex-policial traumatizada, e o diretor consegue fornecer algumas cenas elegantes através do formato em scope e do ambiente minimalista do necrotério. Além disso, as cenas iniciais se preocupam em inserir Megan numa vida de subúrbio, com fotografia devidamente fria e contrastada, representando a dificuldade das classes desfavorecidas – Rocky, um Lutador aparenta ser uma referência direta para este modo de filmar os marginais. Em outras palavras, existe um pensamento, um cuidado na hora de desenvolver a personagem humana. Infelizmente, diante dela se encontra uma enésima manifestação incoerente de força demoníaca.

Cadáver
Cadáver
Cadáver
Cadáver
Cadáver
Cadáver
Cadáver
Cadáver
Cadáver
Cadáver
Título original The Possession of Hannah Grace
IMDb Rating 5.2 19,713 votes
TMDb Rating 5.2 625 votes

Director

Elenco

Shay Mitchell isMegan Reed
Megan Reed
Grey Damon isAndrew Kurtz
Andrew Kurtz
Stana Katic isLisa Roberts / Nurse
Lisa Roberts / Nurse
J.P. Valenti isBoston Cop #1
Boston Cop #1
Lexie Roth isAA Member
AA Member
Kirby Johnson isAnna Grey / Cadaver
Anna Grey / Cadaver
Compartilhamento0

Títulos Similares

JT Leroy- Escritor Fantasma
O Afogamento
Se Algo Acontecer… Te Amo
A Ilha dos Mortos
Primal Rage
Beleza Adormecida
Altos Negócios
A Vigilante
Up On The Glass
Demônios
Calibre
Ele + Ela

Deixe um comentário

Name *
Add a display name
Email *
Your email address will not be published