What's happening?

Vídeo 135 Views Report Error

  • DUBLADO
A Livraria

A Livraria

Nov. 10, 2017UK110 Min.PG
Your rating: 0
5 1 vote

Sinopse

A Livraria

No final da década de 50, uma mulher recém-chegada em uma pacata cidade do litoral da Inglaterra decide abrir uma livraria. Contudo, sua iniciativa é vista com maus olhos pela conservadora comunidade local, que passa a se opor tanto a ela quanto ao seu negócio, obrigando-a lutar por seu estabelecimento

Crítica

Era uma vez uma mulher de bom coração. Ela acreditava que os cidadãos do pequeno vilarejo onde morava precisavam de mais cultura, então decidiu abrir uma livraria. Mas os homens e mulheres mais ricos do lugar ficaram escandalizados com a ousadia daquela viúva. Onde já se viu, um empreendimento deste tipo num imóvel do bairro? Começou assim a batalha para que a mulher desistisse da ideia, e se possível, abandonasse o local para sempre.

 

A Livraria tem mais sentido quando lido como fábula. Num contexto realista, as motivações de seus personagens soam no mínimo curiosas. Por que o singelo empreendimento despertaria raiva tão grande em um local defensor do livre comércio? Como a livraria teria sucesso repentino, se os moradores da cidade jamais leem, e de onde viria a queda abrupta de frequentação se a suposta livraria nova, aberta para fazer concorrência, jamais é vista nas imagens? Por que a ideia de uma livraria soa tão absurda para a vilã, que pretendia transformar um lugar num centro de artes? Por que ninguém opta por outro imóvel vazio, com tantos disponíveis pela cidade?

Talvez estas respostas sejam bem detalhadas no romance homônimo de Penelope Fitzgerald, que deu origem ao filme. Na adaptação de Isabel Coixet, adentramos um terreno simbólico, com direito a uma garotinha de cabelos cacheados saltitando nas ruas, vilões ricos destilando fel em suas mansões e viúvos reclusos alimentando segredos em casas isoladas nas colinas. A diretora aposta em personagens excêntricos como a dona de casa catatônica, o Don Juan efeminado e o banqueiro insensível. Como em Chocolate (2000), a mesquinhez dos cidadãos de uma cidadezinha serve para testar a força de vontade da protagonista feminina – no caso, Florence Green (Emily Mortimer).

 

A atriz, conhecida pelas expressões dolorosas e postura corporal retraída, reforça esses traços ao limite do cômico em A Livraria. Esta é uma história de pessoas sensíveis demais, escandalizadas quando a protagonista aceita o convite para tomar chá na casa de um homem idoso ou quando participa de uma festa. Neste vilarejo de casas de bonecas, um sorriso mal colocado infringe as regras, um gesto fora do esperado ofende a moral e os bons costumes. Por isso, Florence sorri pudicamente, agradece a todos, desculpa-se o tempo inteiro e demonstra profunda sensação de desconforto.

 

Ao contrário das protagonistas femininas fortes de dramas recentes, esta figura parece deslocada, frágil. Suas armas para lidar com a pressão são apenas a boa vontade e a crença inabalável de que o bem vencerá. Quando é atacada com advogados e pressões financeiras, nem pensa em responder à altura. Florence é uma personagem nobre, culta, e jamais empregaria uma palavra acima do tom esperado. Ela bem que poderia aprender uma coisa ou duas com a prima distante Mildred (Frances McDormand) de Três Anúncios Para um Crime (2017). Ao menos, os diálogos trazem uma bem-vinda dose de ironia, especialmente nas interações com o recluso Sr. Brundich (Bill Nighy).

A Livraria

Para construir uma fábula tradicional, Isabel Coixet utiliza uma linguagem acadêmica. Toda a narrativa é movida por diálogos, os personagens conversam em plano e contraplano, ou se deslocam pela praia em planos de conjunto. A fotografia contenta-se em iluminar os personagens dentro dos limites da funcionalidade, mesmo que brilhem sob a luz dos refletores na cena da festa. Coixet foca-se em rostos, às vezes desfoca a imagem de uma pilha de livros. Não há metáforas, subentendidos, alegorias imagéticas. A Livraria contenta-se em ilustrar o romance que lhe deu origem, com uma transparência tão singela que poderia ser interpretada como superficialidade ou modéstia, a gosto.

 

Atenção: possíveis spoilers a seguir.

 

A conclusão deixa um gosto amargo. Descobre-se quem realmente está narrando a história, enquanto a derrota de Florence é percebida como uma vitória moral. Sim, ela foi expulsa, arruinada financeiramente, porém o roteiro interpreta esse ato como fruto da superioridade e “coragem” – repete-se muito esta palavra – da mulher resignada. É nisto que se acredita, realmente? Numa superioridade de valores que acata de modo passivo as injustiças perpetradas pelos homens de poder? É melhor perder, “oferecer a outra face”, do que se envolver numa briga? Talvez Florence deixe uma lição contraprodutiva para a garotinha Christine, filha simbólica que enxerga na dona da livraria um exemplo a seguir.

A Livraria
A Livraria
A Livraria
A Livraria
A Livraria
A Livraria
A Livraria
A Livraria
A Livraria
A Livraria
Título original The Bookshop
IMDb Rating 6.5 13,254 votes
TMDb Rating 6.5 217 votes

Director

Elenco

Emily Mortimer isFlorence Green
Florence Green
Bill Nighy isMr. Brundish
Mr. Brundish
Patricia Clarkson isMrs. Violet Gamart
Mrs. Violet Gamart
James Lance isMilo North
Milo North
Reg Wilson isGeneral Gamart
General Gamart
Nigel O'Neill isMr. Deben
Mr. Deben
Compartilhamento0

Títulos Similares

A Mula
Uma Prova de Fé 2: Voltando para Casa
Rastros de um Sequestro
Turma da Mônica: Lições
Choke: No Sufoco
The Wager
O Estranho que Nós Amamos
I Was a Simple Man
Freeland
De Repente uma Família
Terror na Síria
Rebecca – A Mulher Inesquecível

Deixe um comentário

Name *
Add a display name
Email *
Your email address will not be published